Arte impressa na pele do verso
do torso, descreve em traços do abstrato
as partes entre-moldadas
por riscas livres de sentido uníssono.

Lisos fios finos de seda recaem,
molhados em vinho do tinto
prazer, o desprendimento.
E no interno a face de ser.

Riscas do movimento de um vento,
do leque que ergue rosas e
exalam o perfume suave
de mais um momento.

Olhos cerrados se fazem em sentidos
de leves mãos que seguram o véu
sob laços e flores. Mais um pedaço
retrato, do seu eu ao contrário

Sutil conformidade da sustentável
certeza crua. Encostas nuas. Destoam.

A centralidade das curvas escondem
o seu leve e lindo sorriso no inverso
e destacam a beleza de maio
sobre a tênue linha desse universo

Revela. Você. Assim.
Sem querer.